Neoplatonismo, aristotelismo e escolasticismo

O neoplatonismo e o aristotelismo são ideologias criadas em torno das obras de Platão e Aristóteles, mas com outros ingredientes. As duas ideologias surgiram dentro do escolasticismo, uma ideologia ainda maior que surgiu dentro do Cristianismo, sendo caracterizada pela tentativa de conciliar duas coisas irreconciliáveis: a razão e a revelação. O escolasticismo dominou na Europa durante o período compreendido entre a era clássica greco-românica e a era moderna, também conhecido como Idade Média.

O termo aristotelismo é uma designação pejorativa a Aristóteles que decorreu de más traduções e interpretações. O termo neoplatonismo, que também é pejorativo, apareceu no século dezenove em referência ao sistema filosófico religioso formado por uma concocção da filosofia de Platão com outros elementos de misticismo e alguns conceitos judaicos e cristãos, que inclui a crença na existência de uma fonte única derivadora de toda a existência e com a qual a alma de um indivíduo pode ser unida misticamente. Plotinus (204-270 d.C.) é considerado o fundador do neoplatonismo, embora alguns historiadores reconheçam que Ammonius Saccas (160-242 d.C.), um místico especulativo que viveu no terceiro século na Alexandria, filho de pais cristãos, apresentou as mesmas ideias antes de Plotinus.

O neoplatonismo fez com que o cristianismo deixasse de ser uma seita judaica para ganhar adeptos entre a população falante de grego e latim. A trindade divina e a transubstanciação da alma que Platão foi buscar na antiga religião egípcia são exemplos de ideias Neoplatonistas que os filósofos cristãos introduziram no cristianismo ligado a Roma. Outro exemplo é a noção de inferno, que veio tanto do ‘sheol’ do Judaísmo quanto do ‘hades’, ou o submundo, da religião grega.

Os escolásticos e a autoridade eclesiástica

Os escolásticos cristãos continuaram a dar as suas interpretações nem sempre corretas sobre Aristóteles, Platão e outros filósofos da antiguidade clássica. Dessas interpretações surgiu além do neoplatonismo, o aristotelismo. Francis Bacon (1561-1626), um estudioso inglês independente da Igreja fez críticas justas ao aristotelismo mas injustas a Aristóteles. É que muitas das informações que ele tinha sobre a obra do grande filósofo eram incorretas. E como se isso não bastasse, o método indutivo que Aristóteles inventou foi incorretamente atribuído a Bacon. A posterior crítica ao Novo Organum de Bacon mostrou uma deficiente compreensão de Aristóteles, causada pelos erros contidos no currículo escolástico que Bacon aprendera. Entretanto, Bacon não foi o único a cometer o erro de julgar Aristóteles pela versão do filósofo que recebera dos escolásticos.

À medida que o cristianismo foi ganhando poder político também foi ficando mais intolerante com as ideias que não se encaixavam no seu catecismo. Não contente em controlar a interpretação dos filósofos clássicos, a autoridade eclesiástica cristã colocou-se em posição antagônica à ciência e decretou que as Escrituras eram a única fonte da verdade sobre o mundo. A interpretação literal das Escrituras levou a diversas falsidades como a existência de uma real abóbada celeste, mostrar o planeta Terra como sendo uma grande superfície plana e como o próprio centro do universo. Aos poucos, a discrepância entre a verdade da ciência e as afirmações das Escrituras atingiu o ponto de ruptura.

Embora os astrônomos já soubessem há muitos séculos que a terra era globular e que girava ao redor do sol, Galileu Galilei (1564-1642) resolveu obter provas diretas, julgando que conseguiria persuadir as autoridades eclesiásticas. Ele construiu um telescópio bem mais possante do que aquele que já existia, e ao apontar o mesmo para o firmamento, viu claramente outros planetas e seus satélites, e notou as manchas do sol e as crateras da lua. As descobertas de Galileu comprovaram inequivocamente que a terra girava em torno do sol e não o contrário como afirmado na Bíblia. E, se a Bíblia estava errada sobre o universo, em que outras coisas poderia estar errada? Esta pergunta foi o grande incentivo das pesquisas sobre a mecânica celeste que eventualmente levaram ao Século das Luzes.


 

Anúncios

2 comentários sobre “Neoplatonismo, aristotelismo e escolasticismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s